O que aprendi

Nesta breve vida que ainda tenho, aprendi uma lição muito importante para meu desenvolvimento como humano. Uma lição que aparentemente me transformará em humano…

Aprendi que não basta ser cruel: devo gostar disso.

Aprendi que não basta roubar: devo acabar com toda a renda.

Aprendi que não basta vencer: devo derrotar e humilhar o adversário até que ele desista da própria vida.

Aprendi que não basta ter preconceito: devo ser intolerante com qualquer pensamento diferente do meu.

Aprendi que não basta ser hipócrita: devo contaminar a todos com minha hipocrisia.

Aprendi que assim serei mais humano.

E quem sabe quando eu agir dessa forma eu não me enquadre no grupo do ser humano.

Anúncios

Efeito Colateral

Amigos, este é um relato verdadeiro e que eu gostaria de compartilhar com todos. O que aconteceu comigo não foi algo legal, mas creio que esse simples texto seja a ponta para uma mudança.

——————

Cabeça doendo
Consciência pesada
O que fiz?

Críticas sempre ajudam, quando em um tom de respeito. Cabe ao ouvinte da mesma compreendê-la como algo bom ou mau. O problema é que eu nunca soube fazer isso. E minha falta de consciência nesse aspecto me leva a caminhos péssimos e com finais trágicos. Mas esse texto é pessoal, um diário declarado publicamente, então vamos aos fatos que me motivaram a escrever.

De uns tempos pra cá mudei tanto meu comportamento que já não sei o que fazer. Ironia e sarcasmo tornaram-se minha bandeira. Perdi amigos, perdi oportunidades, perdi minha essência de respeito. Já não tinha mais limites, e cada vez mais exigia coisas que eu mesmo sequer praticava.

A princípio era algo sensato, brincava com palavras e tudo parecia saudável. Porém, como em todo processo de vício ou algo semelhante, isso já não era mais o suficiente. Precisava apelar para algo mais forte… E apelei.

Comecei com um pouco de humor ácido, críticas pesadas e desprezo por ideias conflitantes. Nessa fase já perdi alguns amigos, mas “é melhor que estejam longe para não me atrapalhar”, pensava. Consegui alguns admiradores, nada muito impressionante, mas que inflava meu ego. Pensava ser o dono da razão, e com isso fui tornando-me cada vez mais desprezível e deixando de ser eu mesmo em prol de um alvo inútil.

Prossegui minha descida ao poço com humor negro, sarcasmo e ofensas pesadas. Alguns dos “admiradores” já não conseguiam mais ficar ao meu lado; para mim era indiferente. “Há! Crianças…” repetia em minha mente sem perceber que o infantil dessa história era eu. E cegamente eu prosseguia minha jornada insensata para o fundo de meu ego.

Mas como a vida sempre nos prega peças, comigo não foi diferente. Eis que conheço alguém totalmente oposto a mim, e ironicamente começo a gostar. Não que eu goste ironicamente da pessoa, mas a vida foi irônica comigo nesse ponto, talvez como uma revanche ou algo semelhante, mas isso não vem ao caso. Voltemos à história, sem rodeios.

Conheci essa pessoa totalmente oposta a mim, gostei dela e tudo poderia ter se encaminhado de forma bonita e perfeita. Mas o ego inflado sentiu-se ameaçado por não ser mais o centro de minhas atenções e reagiu. E da pior maneira possível. E só há uma expressão que explique de forma simples e direta o ocorrido: barbárie emocional. Ou barbárie irracional, se for pensar bem nos fatos, mas me perderei em explicações infundadas e muito hipotéticas se tentar explanar, então me contenho à história.

E meu ego soube fazer essa barbárie de maneira excepcional, tão bem quanto os grandes tiranos dessa história. Posso comparar essa atuação com Pol Pot, líder do Khmer Vermelho, no grande genocídio cambodjano.

Creio que vocês saibam a arma que eu usei, amigos. Ironia, sarcasmo, ofensas pessoais, julgamentos precipitados, distorção de fatos e muito mais. Por isso comparo a um genocídio. E me arrependo disso. Mas essa pessoa continuou ao meu lado. Mesmo com tantas ideia conflitantes lá estava ela, junto a mim.

Mas nesses momentos que comecei a perceber onde eu cheguei. Ela não estava feliz, e me senti (e me sinto) culpado por isso. Percebi que qualquer ideia que não fosse a minha era interpretada por mim como ataque, e criei um muro intransponível entre meu eu e novas ideias. E os problemas foram se acumulando, como uma bola de neve. Até que eu ouvi a frase que mais me assustou, “vamos parar, porque está óbvio que não iremos para lugar algum juntos”. Comecei a tremer. Minhas ofensas se tornaram tão instintivas que eu sequer percebia o que estava fazendo. Tornei-me irracional, impulsivo e sem compaixão. E isso estava me atrapalhando.

Nesse momento que percebi que algo em mim realmente estava muito errado, resolvi colocar minhas cartas na mesa. E aqui estou, escrevendo sobre mim, para um possível ar de mudança. Será difícil, mas aceito a proposta. Será dolorido, mas as cicatrizes trazem consigo ensinamentos. E como Nietzche, mesmo tão obscuro, dizia: “O QUE NÃO ME MATA TORNA-ME MAIS FORTE.”

Esse é um simples relato de um curto espaço de tempo de minha vida, mas que atrapalhou muitas coisas. Espero que em meu próximo relato pessoal conste a mudança. Pois estou disposto a mudar para essa nova sensação, ainda desconhecida para mim, me ensine a viver: o amor.

Pelas Armas e Rosas

 

Uma da bandas mais influentes no meio da musica, odiada por alguns adorada por muitos está é o GUNS N’ ROSES.

Começava na década de 80 uma banda de Hard Rock que ficaram famosos entre as décadas de 80 e 90 pelas suas letras de sexo, drogas e muita violência que era na verdade oque eles vivenciavam em suas vidas, não é atoa que eram conhecidos como a banda mais perigosa do mundo. Tudo começou com a fusão das bandas Hollywood Rose e L.A. Guns devido ao pouco numero de componentes dai dessa fusão surgiu o Guns N’ Roses sua formação original era a seguinte: Axl Rose (vocalista), Tracii Guns (guitarrista solo), Izzy Stradlin (guitarrista base), Duff McKagan (baixista) e Robert Gardner (baterista). Três dias antes do primeiro show da turnê da banda, Robert e Tracii saíram e foram substituídos por Slash e Steven Adler mas mesmo assim a turnê foi um fracasso total e nisso os integrantes tiveram que vender muitos de seus instrumentos e até chegaram a roubar e vender drogar por um tempo, daí podia se dizer que a banda já tinha acabado antes de começar, engano seu foi ai que eles conseguiram um EP de quatro músicas pelo selo independente Uzi Suicide, com o nome de “Live ?!” “Like a Suicide”. Com isso eles conseguiram um contrato com a gravadora Geffen Records. Outro ponto baixo da banda foi quando Slash quase foi banido da banda pelo seu vicio em heroína, mas nesse mesmo ano eles ganharam o prêmio da MTV de melhor vídeo heavy metal/hard rock com “Sweet Child O’ Mine”. O primeiro álbum que não demorou muito foi “Appetite For Destruction” lançado pela Geffen. Em pouco tempo o disco estava no primeiro lugar nas paradas. A capa (uma mulher sendo estuprada pelo autômato) do disco teve problemas nos Estados Unidos e em outros países, pois a capa era obscena e agressiva às mulheres. Sendo assim, a banda mudou a capa (um crucifixo que tem o desenho do rosto de cada um da banda). Um tempo depois surgiu o segundo disco “Lies” composto por quatro músicas do EP de 86 e mais quatro novas. O grupo emplacou dois discos entre os mais vendidos e tornou-se a primeira banda de hard rock com esse feito. Eles ainda ganharam os prêmios de melhor vídeo com “Welcome To The Jungle” e artista revelação. Logo após vieram Os álbuns “Use Your Illusion I” e “Use Your Illusion II” foram lançados juntos pela Geffen Records e “The Spaghetti Incident”  e mais atualmente lançaram “Chinese Democracy” que na opnião era melhor não ter feito, para mim a banda errou em não parar no auge, e agora está pagando por isso, mas como um bom fã agente lembra da época boa, então, vamos celebrar o #Diamundialdorock ouvindo muito Guns !!!

Para alguns é triste ver a atual formação do Guns e eu concordo…mas sempre teremos em nossa memoria o melhor do Guns hoje e sempre”

 

 

Cofissão de um apaixonado #1

Em tantas palavras para descrever o que é sentimento, eu, Heron Lucas ( um dos editores LOST do blog), decidi mostrar meu lado pessoal, meu sentimentos aos queridos leitores que nos acompanham… Espero que gostem 😉

” Eu não entendo por quê tudo tem que ser tão dificil, por que meus sentimentos, livres, não são válidos como amor para ninguém, eu tento, eu busco, busco nas estrelas, busco no céu, busco nos olhos mais belos e nos menos belos, mas, a única coisa que encontro é a dor da Rejeição…

 Me tranco em meu quarto e fico a imaginar, qual será o dia em que, eu irei olhar, e teu olhar me encontrar?

 Por que este dia não pode ser hoje, ou, para não mais me magoar, amanhã?

 Eu não entendo mais o amor, primeiro, ele me disse: apenas me sinta, depois, me abandonou, é como se minhas pequenas palavras de sentimento real e amarguradas tivessem se tornado ilusões, apenas meados feixes de luz que ocorrem e minha mente…

 Estou trancafiado dentro de mim próprio, minha alma anseia por liberdade, anseia por teu amor, meu coração deseja estar contigo, minha mão deseja segurar em tuas mãos, entrelaçar meus dedos em teus dedos dizendo EU TE AMO.

 Desejo, amada minha, acordar todos os dias, as vezes perdido ou não, apenas com a certeza em meu coração de que te amo…

 Desejo apenas ter a certeza de que o amor que surgiu de uma forma inesperada seja para ti, e para mais ninguém, que os anjos ouçam, desejo amar-te…

 Não sei se choro, pois a ti nunca vejo, sua voz desaparece de minha mente como se fosse um simples relâmpago riscando o céu, não sei se sorrio, pois, quando falo contigo meu coração se alegra em profunda gratidão, meu espirito me faz chorar, mas não de tristeza, mas sim de felicidade, por um oi poder te dar…

 Me tranco em meu quarto e penso: O que fiz para merecer estar aqui, neste pequeno local pensando em uma pessoa que jamais talvez saberia do que sinto por si?

 Fico pensando, minha vergonha nao me permite nem ao menos dizer o que sinto dentro de meu coração, meu espirito, triste, tenta se libertar desta cadeia de amor preso dentro de mim, uma cadeia que se esconde atrás apenas de um sentimento que nao me permite me abrir…

 Pediria eu a Deus para acabar com minha tolice e minha vergonha alheia (timidez), para que eu pudesse exaltar ao Amor, e a ti dizer o que sinto…

Queria eu pois, lhe dar as estrelas do céu, mas sou um simples poeta, nao tenho mãos divinas, a única coisa que posso lhe oferecer é meu amor…

Espero um dia, poder contar-lhe todos os meus sonhos, os meus desejos, mas enquanto isso, permaneço trancafiado neste corpo envergonhado. “

Bom, espero que tenham gostado, este pequeno trecho que escrevi é algo que sinto de verdade, mas, como um garoto timido que sou, nao tenho nem coragem de me olhar no espelho e me chamar de bonito, fico vermelho só de pensar nisto, mas, espero que tenham gostado (estou chorando), fiquem com Deus e até o próximo post !

Politica: Existe Mocinho nesta História?

Politica denomina arte ou ciência da organização, é sério, pode parecer piada mas não é. A única coisa que não só os nossos mas todos os políticos existentes na face da terra estão organizados é no crime, sendo este financiado ou não pelos mesmos de forma direta ou indireta. Todos pensam consigo mesmos que ainda há de ter esperança pois não são todos que são corruptos… Será? Uma das maiores ou talvez a maior dúvida da humanidade, em uma civilização, consiste em escolher seus governantes, tarefa nada fácil para qualquer cidadão, ainda mais com tantos escândalos estourando na televisão, jornais e rádios. Realmente é um grande mistério descobrir quem presta e quem não presta nesse meio, porque afinal de contas para um cara honesto no meio da desonestidade só se tem dois caminhos: se juntar a eles ou cair fora, e ninguém está afim de lutar por um cargo e ter que abrir mão dele lá na frente, e como dizem, quem esta na chuva é pra se molhar.

“Em tempos difíceis, os medrosos e ingênuos são sempre atraídos para os radicais carismáticos.”

Afinal de contas eles (políticos) estão em prol de um todo ou apenas de seus desejos particulares? Pois mudança todos querem o problema é como ela vem.

 

Reflitam bastante!! E um bom feriado a todos, grande abraço!!

A Guerra Contra o Psicológico

Guerra: uma palavra tão forte quanto seu significado, que insinua um confronto sujeito a interesses da disputa entre dois ou mais grupos distintos de indivíduos mais ou menos organizados, e de todas as guerras eu posso citar tanto beneficios quanto maleficios, mas mesmo com os poucos beneficios não se pode voltar de uma guerra em sã consciência, até mesmo por questão moral, ou seja: até o ser humano mais “sangue frio” consegue se abalar em uma guerra, e a grande maioria consegue atingir o grau da loucura, mesmo existindo atualmente tratamento para o “Trauma pós Guerra”. Com esses tratamentos o combatente pode retomar sua “vida normal” e tentar esquecer as atrocidades que guarda em sua mente.

O complicado é que nós não podemos e nem temos o direito de julgá-los, por que até mesmo criticar sentado no sofá e em casa fica fácil: quero ver entrar em ação e fazer o que for preciso para sobreviver, na guerra é “matar ou morrer” e duvido que alguém vá à guerra para morrer, todos têm esperança de voltar e voltar como heróis, pois não há como negar que no mundo real o militar é visto como uma figura heroica e que atualmente não tem feito muito jus a esta afirmação mas ainda sim merece créditos!

Leia mais deste post